48 3233-4459 / 48 9982-4385 / 48 9922-7574

Rua Joe Collaço,309 Sala 02

 Córrego Grande Florianópolis - SC

  • Instagram - White Circle
  • Wix Facebook page
  • Wix Google+ page

Está pensando em comprar um SUV? Saiba qual a melhor compra!

September 27, 2016

KICKS, ECOSPORT, RENEGADE, HR-V E TRACKER

 

Os valores cobrados hoje por estes veículos estão diretamente relacionados com a grande procura que há nos dias de hoje por este tipo de veículo: os SUV’s. O modelo mais vendido do segmento é o Honda HR-V que chegou em 2015 com o motor que o Civic usava em 2006 e o câmbio CVT do Fit.

 

 

O Jeep Renegade é equipado com o 1.8 EtorQ do Fiat Linea, um quatro cilindros flex que nunca teve muitos fãs.

 

O pioneiro Ford EcoSport só traz o que já havia estreado antes no Fiesta.

 

E o Chevrolet Tracker traz o motor e câmbio Cruze.

 

O quinto integrante deste comparativo é o Nissan Kicks – equipado com motor e câmbio CVT do March. O preço do Kicks é razoável, pois os rivais reunidos neste comparativo custam mais nas versões completas. Ou seja: mesmo custando 90 mil, o Kicks chega como o melhor custo-benefício entre os compactos.

 

Com base nos preços de mercado, foi colocado para avaliação a única versão disponível do Kicks para brigar com as opções básicas de HR-V (LX automática, R$ 86.100) e de Renegade (Sport automática, R$ 86.740); e intermediária do EcoSport (Freestyle Plus 1.6 Powershift, R$ 84.690).

 

O Tracker é o LT, de R$ 77.790 (fora os R$ 650 cobrados pela cor branca opcional) – o LTZ completo passa dos R$ 93 mil.

Os veículos foram levados para teste e o que foi comprovado, na prática, é que todos eles cobram muito pelo que oferecem. Apenas um chegou perto de corresponder ao valor você paga por ele.

 

Veja a classificação de cada um deles:

 

- Chevrolet Tracker – último lugar

Por enquanto, o Tracker é apenas um carro honesto, com suspensão bem calibrada, direção correta e posição de dirigir especialmente confortável. Sem falar que na versão LT é o SUV mais barato do comparativo.

O Tracker está com os dias contados pois o novo modelo será lançado nos próximos meses no México e até o fim do ano chega ao Brasil. Terá cara e mecânica do Cruze sedã, com o eficiente motor 1.4 turbo e nível ainda melhor de acabamento. Tem tudo para se transformar no melhor SUV compacto.

 

FORD/ECOSPORT – quarto lugar

Quando se vê os R$ 84.690 cobrados pela versão Freestyle Plus (com bancos de couro e airbags laterais para justificar um plus de R$ 4 mil no preço final) você espera encontrar mais do que o sistema SYNC, com AppLink, que facilita o uso do celular sem o auxílio das mãos. Mas não tem a mesma impressão de qualidade que se vê em uma central multimídia de verdade.  Ele sofrerá uma reestilização em outubro e uma das versões deve ganhar o motor 1.0 Ecoboost, mas isso só resolve parte do problema. Sem mudar na essência, o Ford tem tudo para continuar sendo coadjuvante.

 

JEEP RENEGADE – terceiro lugar

Com maior peso e motor precário, ele tem a pior aceleração e retomada entre todos os SUV’s  testados, ou seja, muito peso para pouco motor. A cabine é construída para o motorista se sentir em um carro grande e confortável e só de pegar no volante é nítido que tem mais dinheiro ali do que nos outros quatro e que há bastante detalhes no acabamento.

 

HONDA HR-V – segundo lugar

Na pista ele foi o mais rápido nas acelerações e retomadas – no 0 a 100 km/h, por exemplo, foi quase 1 s mais ágil que o Nissan. A falta dos mimos, que sobram no Kicks, faz da versão LX o patinho feio da linha HR-V. Talvez compense mais investir na versão EX? Não. Pois ela também não traz a câmera de ré, nem os bancos de couro, nem a central multimídia. E passa dos R$ 90 mil.

 

NISSAN KICKS – primeiro lugar

Sua base é surpreendentemente boa, e em algumas situações, como o impacto com imperfeições no asfalto, se mostra mais confortável até que o própio HR-V, até então a referência. Tem a melhor distância média entre o encosto do motorista e o volante (58 cm), e empata com o Honda quando você mede o espaço que se tem do assento ao teto. Seus bancos são extremamente confortáveis e a direção tem um peso equilibrado. O motor 1.8 de 140 cv é mais voluntarioso e o câmbio CVT que a Honda usa aqui, parece ter mais garras ao dar tração às rodas dianteiras.  Mas o que faz você assinar o cheque, antes mesmo de contestar os R$ 89.990, é ver que por essa quantia ninguém traz o sistema multimídia completo, nem o acabamento de couro nos bancos e no painel, tampouco um sistema de controle dinâmico eficiente e interativo e nem de longe um painel com tela TFT que pode, além de informar, entreter os futuros compradores.

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Google+ Basic Square